sexta-feira, outubro 31, 2008

Halloween

Trick or treat!


Olhá coerência!!

Militante do PNR detido por auxílio à imigração ilegal

Um dos mais fervorosos adeptos da extrema-direita em Portugal foi detido por auxílio à imigração ilegal e lenocínio, uma vez que possuía quatro bordéis, onde trabalhavam cerca de 30 prostitutas.

António Frazão geria, com duas brasileiras, a sua cadeia de bordéis

quinta-feira, outubro 30, 2008

Vergonhosa situação

O (des)Governo persiste, e persiste e persiste ... na imbecil e despudorada espoliação do IVA, sem qualquer cuidado pela realidade dos factos.

Estado exige receber IVA com ou sem pagamento de clientes

O Governo quer passar a punir as empresas que falhem a entrega do IVA independentemente do pagamento das transacções por parte dos clientes. A medida está inscrita na proposta de Orçamento do Estado para 2009.
E é assim que querem recuperar a economia portuguesa!!

Bem, a economia portuguesa é como quem diz, há que fazer a distinção entre a economia real e a economia de luxo! Sendo que, a economia real é a que efectivamente existe ao nível das micro, pequenas e médias empresas, e a economia de luxo, são as coqueluches do regime, tais como Bancos e grandes empresas - de construção cívl e obras públicas, são bons exemplos disso.

À economia de luxo disponibilizam-se 20 biliões de euros, à economia real exige-se o pagamento antecipado do IVA ...
Feios, porcos e maus ... mas bem aperaltados.

Alguém ofereça este livrinho ...

... ao sr PM.

Loureiro dos Santos avisa que há descontentamento nas Forças Armadas
General Loureiro dos Santos avisa que o desespero de alguns jovens militares, desencadeado pela perda de regalias sociais, pode vir a pôr em causa a democracia portuguesa.
Ministério da Defesa diz que não há qualquer clima de descontentamento nas Forças Armadas
O secretário de Estado da Defesa reagiu, esta tarde, à opinião expressa pelo general Loureiro dos Santos, dizendo que não concorda com ela. Loureiro dos Santos alertou que o desespero de alguns jovens militares pode vir a pôr em causa a democracia portuguesa.
(brincalhão ....)

Acrescento o meu comentário ao artigo: Afinal o que se passa?, do Luís Castro no Cheiro a Pólvora
Diria que este é o último aviso dos militares.

O facto de o Sr. General Loureiro dos Santos e do Sr. General Garcia Leandro assumirem e darem voz ao descontentamento que impera é o último aviso à classe política reinante e ao (d) Governo que está.

Não esquecer os passeios, passeatas e outros «ajuntamentos» de militares dos 3 ramos das Forças Armadas.
Algo está "terrívelmente podre no Reino de Portugal".

Para além da consecutiva perda de compra (inclusive no que se refere à parte de assistência médica aos próprios e aos familiares - a assistência aos familiares decorria da baixa remuneração que auferiam ...), falta de reconhecimento na progressão de carreira, acresce a situação ultrajante para com os ex-combatentes do Ultramar, que será um paradigma para com eles próprios: "Será que nos vai acontecer o mesmo?".

São um conjunto de questão que têm que ser devidamente ponderadas e que não podem ser, de forma alguma, negligenciadas pelo OGE 2009!! Mas, na realidade o que sucede é que OGE 2009 sofreu um corte substancial na Defesa ...!!
Ora, o Ministério da Defesa não pode "fazer milagres" se a verba não for disponibilizada!
É uma situação de "dead end".

As nossas Forças Armadas actuais, são constituídas por voluntários, ou seja, só aqueles que realmente pretendem seguir a carreira militar se alistam, e por tal, devem ter as condições necessárias ao desempenho das suas funções com qualidade e dinamismo, e devem ser acima de tudo respeitados, pois são eles os garantes da nossa legítima defesa enquanto Estado/Nação. A eles cumpre garantir a nossa integridade territorial.

O meu reconhecimento e saudações ao Sr. General Loureiro dos Santos e ao Sr. General Garcia Leandro pela hombridade e intregridade com que assumiram uma questão tão difícil e, porque não dizê-lo abertamente, politicamente incorrecta!

A família do Obama ...

... está tão confiante, que já se puserão a caminho da Casa Branca!!

Dia Mundial do Câncro da Mama

Clique no laço, apenas um click que, pode fazer a diferença para uma Mulher

Abre os olhos e encara a vida! A sina
Tem que cumprir-se! Alarga os horizontes!
Por sobre lamaçais alteia pontes
Com tuas mãos preciosas de menina.

Nessa estrada de vida que fascina
Caminha sempre em frente, além dos montes!
Morde os frutos a rir! Bebe nas fontes!
Beija aqueles que a sorte te destina!

Trata por tu a mais longínqua estrela,
Escava com as mãos a própria cova
E depois, a sorrir, deita-te nela!

Que as mãos da terra façam, com amor,
Da graça do teu corpo, esguia e nova,
Surgir à luz a haste de uma flor!...


- Florbela Espanca, Charneca em Flor

quarta-feira, outubro 29, 2008

Das profundezas dos Oceanos

video

terça-feira, outubro 28, 2008

Hoje ...

... é um dia em que não apetece dizer nada

Nada

Nem sequer que este (des)Governo é o pior da história de Portugal.
Que este (des)Governo é o mais autoritário, o mais intrusivo, o mais propagandista/mentiroso e totalitário de que há memória.

Nada

Não, hoje não apetece dizer nada.

(imagem de O Blog da Nalga)

A solução para a energia eléctrica

(via Pitigrili)

segunda-feira, outubro 27, 2008

Céu e Água

A luz vinha devagar
Através do firmemento...
Vinha e ficava no ar,
Parada por um momento,
A ver a terra passar
No seu térreo movimento.

Depois caía em toalha
Sobre as dobras da cidade;
Caía sobre a mortalha
De ambições e de poalha,
Quase com brutalidade.

O rio, ao lado, corria
A querer fugir do abraço;
Numa vela que se abria,
E onde um sorisso batia,
O mar já era um regaço.

Mas a luz podia mais,
Voava mais do que a vela;
E o Tejo e os areais
Tingiam-se dos sinais
De uma doença amarela.

Ardia em brasa o Castelo,
Tinha febre o casario;
Cada vez mais nosso e belo,
O profeta do Restelo
Punha as sombras num navio...

Nas casas da Mouraria,
Doirada, a protituição
Era só melancolia;
Só longínqua nostalgia
De amor e navegação.

Os heróis verdes da História
Tinham tons de humanidade;
No bronze da sua glória
Avivava-se a memória
Do preço da eternidade.

Nas ruas e avenidas,
Enluaradas de espanto,
Penavam, passavam vidas,
Mas espectrais, diluídas
Na cor maciça do encanto.

E a carne das cantarias,
Branca já de seu condão,
Desmaiava em anemias
De marítimas orgias
De um fado de perdição.


- Miguel Torga

sábado, outubro 25, 2008

Uns são filhos da Mãe, os outros ...

N' O Carmo e a Trindade

(clique nas imagens para ver o vídeos)

Este fim de semana tem lugar o Renault Roadshow F1 em Lisboa, entre os Restauradores e o Marquês de Pombal.

(...)

sexta-feira, outubro 24, 2008

Aié

PGR preocupado com o aumento da criminalidade, em especial nos jovens

Crimes a envolverem pessoas são os mais sérios para Pinto Monteiro

O Procurador-Geral da República (PGR), Pinto Monteiro, disse hoje, em Tomar, ver com "um olhar preocupado" o crescendo da criminalidade em Portugal, nomeadamente a delinquência juvenil, e lamentou que tudo esteja centrado na protecção do arguido, esquecendo-se muitas vezes a vítima.

Presunção e água benta ...

quinta-feira, outubro 23, 2008

Eh pá! Já?!! ...

Preço do Magalhães vai subir

MIGALHÃES
(por mail)

Lá vem pelo avelar
O filho do Zé João
Vem do centro escolar
Cansado de palmilhar
A caminho da povoação

Não há médico na aldeia
E a antiga escola fechou
Não tem carne para a ceia
Nem petróleo para a candeia
Porque o dinheiro acabou

O seu pai foi para França
Trabalhar na construção
E a mãe desta criança
Trabalha na vizinhança
Lavando pratos e chão

Mas o puto vem contente
Com o Migalhães na mão
E passa por toda a gente
Em alegria aparente
De quem já sabe a lição

Um senhor muito invulgar
Que chegou com mais senhores
Veio para visitar
O novo centro escolar
E dar os computadores

E lá vem o Joãozinho
No seu contínuo vaivém
Calcorreando o caminho
Desesperando sozinho
À espera da sua mãe

Neste país de papões
A troco de dois vinténs
Agravam-se as disfunções
O rico ganha milhões
E o pobre, Migalhães!

Ah ...

Governo enviou para o Parlamento rectificação à lei do financiamento dos partidos

O ministro dos assuntos paralamentar está a ter uma fase difícil na sua carreira governamental.

Primeiro, foi o pedido de desculpas pela pen, meia-cheia ou meia-vazia, do OGE 2009, agora, foi a rectificação às alterações em OGE 2009 à Lei do financiamento dos partidos políticos ... mala pata!!

quarta-feira, outubro 22, 2008

Legislação de sopetão?

Afinal, o OGE 2009 meteu lá, a título de entremeada, alterações à legislação sobre financiamento dos partidos políticos, ou não?!!

Já ninguém se entende
Já o ministro dos Santos mete os pés pelas mãos
Já o líder da bancada paralamentar do PS, diz que é coisa de somenos importância

Afinal como é que ficamos?
Andam a tentar contrabandear legislação, ou não?

Expliquem-se, porque esta situação está, como sempre, muito serrada.

Sem pio

É o meu caso!
Sem pio ...

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?


- Eugénio de Andrade, As Palavras

Prémio Dardos

Fico muito sensibilizada, e surpresa, tanto pela existência deste Prémio, mas principalmente por ter sido galardoada com um prémio tão interessante!

Muito obrigada ao Jorge Ferreira - Tomar Partido pela nomeação, e principalmente pela lembrança.

O Prémio Dardos é de origem brasileira, e visa reconhecer os valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras.

Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web.

Quem recebe o Prémio Dardos e o aceita deve seguir algumas regras:

1. Exibir a distinta imagem;
2. Linkar o blogue pelo qual recebeu o prémio;
3. Escolher 15 outros blogues a que entregar o Prémio Dardos.

- Bichos Carpinteiros;

- Carmo e a Trindade, O;

- Cheiro a Pólvora;

- Cocanha;

- Combustões;

- Dragão;

- E-Jetamos;

- Estado Sentido;

- Ma-Schamba;

- Nabantia;

- Ofício Diário;

- Pessoalíssimo;

- Portugal Contemporâneo;

- Vento Sueste;

- We Have Kaos ...

Infelizmente só podem ser 15! Eu premiava todos os que estão na coluna da direita

Sofá

O Governo iraquiano pretende alterar acordo de segurança com os Estados Unidos
O Governo iraquiano discutiu ontem durante quatro horas o projecto de acordo de segurança com os Estados Unidos e decidiu por unanimidade propor modificações no documento, que levou, a Washington e Bagdad, nove meses a negociar.

Não foram divulgados pormenores sobre as alterações pedidas pelos iraquianos, mas elas terão a ver com o calendário de retirada das tropas americanas e com a questão da imunidade nos crimes cometidos pelas tropas ocidentais.

O documento apresentado pelos americanos chama-se "Sofa" (de status of forces agreement). A intenção é criar um quadro legal que justifique a presença militar americana no Iraque após expirar o mandato da ONU, que termina no último dia do ano.

Washington propõe uma retirada total até ao fim de 2011, mas ficariam americanos a treinar o exército local. No Governo iraquiano, há quem defenda a saída imediata, o que os militares americanos rejeitam, pois consideram que o exército local não estará pronto para assumir o controlo do país a partir de 1 de Janeiro.

(...)

Não tarda nada, o marido põe-lhe as malas à porta!!

Ou então, pede o divórcio à luz da nova legislação portuguesa ...

Merkel pede que Sarkozy não seja tão afectuoso
Líder alemã detesta os beijos e abraços do líder francês

A chanceler alemã Angela Merkel, que já não tolerava muito bem o beija-mão de Jacques Chirac, fez saber à embaixada alemã em Paris que detesta a maneira afectuosa como Nicolas Sarkozy a cumprimenta: beijos no rosto, abraços, mão no ombro, etc...

(...)

Autumn Lullaby


terça-feira, outubro 21, 2008

Cartinhas de amor do fisco!


Fisco vai alertar contribuintes por SMS e encurtar prazos para resolver reclamações
O Fisco vai passar a avisar os contribuintes por mensagem instantânea (SMS) sobre a aproximação dos prazos para pagar impostos e encurtar para um mês o prazo de resolução de reclamações que não sejam complexas.

(...)

Injusta?

Camaleão

segunda-feira, outubro 20, 2008

Avião da Alitalia quase chocou com OVNI

Aconteceu em 1991 mas só agora se soube

Pois é ... então e agora? Aqueles rapazes sempre tão dedicados a apelidar o outros de nomes feios, o que é que vão dizer?
Vão chamar ao Ministério da Defesa britânico: malucos?

Addenda:
M.O.D. Files
(via Pessoalíssimo)

Allez

É um estranho caso não esclarecido e só agora divulgado. O Ministério da Defesa britânico revelou hoje que, em 1991, um objecto voador não identificado passou a curta distância de um avião de passageiros da Alitalia que sobrevoava a cidade inglesa de Kent.

O comandante Achille Zaghetti ficou tão assustado que gritou "cuidado, cuidado!" para o seu co-piloto. O comandante do voo da Alitalia disse que viu o objecto voador não identificado (OVNI) - castanho e com a forma de um míssil - a passar a uns escassos 300 metros do seu avião, quando sobrevoava a cidade britânica de Kent, em 1991.

O caso, hoje divulgado pelo Ministério da Defesa Britânico, foi investigado durante anos pela Autoridade da Aviação Civil e pelos militares, tendo acabado por ser arquivado sem que se tivesse chegado a alguma conclusão.

O mais estranho é que, logo após ter visto o OVNI, o comandante da companhia aérea italiana comunicou com a torre de controlo, que o informou de que o único objecto identificado pelo radar estaria a cerca de 10 milhas de distância do avião da Alitalia.

O avião, MCDonnell Douglas MD80 , seguia de Milão para o aeroporto londrino de Heathrow e levava 57 pessoas a bordo.

O dossiê sobre o assunto revela que uma estação de televisão local transmitiu a história de um rapaz de 14 anos, que afirma ter visto nessa noite um míssil a atravessar o céu a baixa altitude, antes de ter desaparecido entre as nuvens.

O incidente de Kent é um dos 19 casos sobre aparições de OVNI, ocorridos entre 1986 e 1992, que estão disponíveis no site dos Arquivos Nacionais da Grã-Bretanha.

Existem outros casos de passageiros de voos comerciais que dizem ter visto OVNI em 1991 quando sobrevoavam a Grã-Bretanha.

Entre os arquivos, agora revelados, consta ainda o relato de um piloto da Força Aérea americana que terá recebido a ordem para atirar sobre um OVNI que apareceu no seu radar quando sobrevoava East Anglia, no leste de Inglaterra.
Galileu sofreu idêntica caçada pela inquisição, uma vez que colocou em causa todo o sistema vigente!!

O Duro das Lamentações

Moeda de troca

Os EUA retiveram o Xá nos Açores para o entregar a Khomeini
Há quase três décadas no exílio e Farah Diba Pahlavi, que este mês (dia 14) completou 70 anos de vida, ainda não consegue esquecer-se da noite de 23 de Março de 1980 quando um DC9 das Evergreen Air Lines em que viajava fez escala nos Açores. O avião aterrara, oficialmente, para reabastecimento, mas ficou retido várias horas na pista sem autorização para descolar. “Foi um momento de angústia”, conta a última imperatriz da Pérsia, numa rara entrevista por e-mail.

Para perceber o que se passou na base das Lajes — e que poderia ter mudado o curso da História —, é preciso recuar no tempo. Farah Diba e o seu marido, o Xá Mohammad Reza Pahlavi, tinham sido forçados a abandonar o Panamá e deveriam seguir para o Cairo, onde o Presidente Anwar Sadat lhes renovara a oferta de refúgio. Andavam em fuga há mais de um ano. Várias portas se haviam fechado depois de a monarquia ter sido derrubada pelo Ayatollah Khomeini.

(...)
- Público

As Lajes têm sido palco das piores velhacarias.

domingo, outubro 19, 2008

Teorias da conspiração uma ova

Vejam este vídeo:

Agora leiam esta notícia:

Perante a crise financeira

Bush, Sarkozy e Barroso propõem uma série de cimeiras

O Presidente norte-americano e os dirigentes europeus chegaram sábado a acordo em Camp David sobre a realização de uma série de cimeiras face à crise financeira, a primeira das quais pouco após as presidenciais norte-americanas de 4 de Novembro.

Segundo um comunicado publicado pela Casa Branca, os presidentes norte-americano, George W. Bush, e francês, Nicolas Sarkozy, e o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, concordaram abordar os outros dirigentes internacionais durante a próxima semana "com a ideia de começar uma série de cimeiras para responder às dificuldades com que se confronta a economia mundial".

A primeira destas cimeiras, ao nível dos chefes de governo, terá lugar nos Estados Unidos "pouco depois das eleições norte-americanas", refere o texto.

Um porta-voz da Casa Branca, Tony Fratto, considerou provável que se realize em Novembro, como desejava Sarkozy, mandatado pelos Europeus.
"Penso que podemos esperar com alguma razoabilidade que se realize em Novembro", disse.

Quanto ao local, Frato disse que a decisão ainda não foi tomada embora Sarkozy, cujo país assegura a presidência rotativa da União Europeia, tenha falado em Nova Iorque já que foi nesta cidade que a crise começou.

Fratto explicou que se Bush, Sarkozy e Barroso propuseram uma série de cimeiras foi porque o número de problemas, a sua dimensão e a quantidade de países envolvidos, façam com que seja "demasiado ambicioso" pensar que tudo possa ser resolvido numa única cimeira.

A mesma fonte indicou igualmente que muitas pessoas falam, para restabelecer a ordem financeira internacional, numa nova Bretton Woods, a conferência de 1944 que fundou o sistema actual.

"Bretton Woods durou três semanas e envolveu 44 países, numa altura em que havia menos países no Mundo", referiu.

A primeira cimeira terá como objectivo "discutir a crise financeira actual e formular os princípios que vão guiar as seguintes", sublinhou.

Tony Fratto não falou sobre os países que vão participar, contentando-se em dizer que serão mais do que os membros dos G8.

Questionado sobre a possibilidade do vencedor das presidenciais norte-americanas, que apenas vai assumir funções em Janeiro, participar na primeira cimeira, Fratto foi claro: "Os pontos de vista e a contribuição de quem for o presidente eleito interessa-nos, seguramente".
- Público

Dizem que são teorias da conspiração tudo aquilo que vai contra o maioritariamente aceite.

Clamam:

teoria da conspiração, quando se afirma que os EUA e restantes adjuntos, invadiram o Iraque.

Teoria da conspiração, quando se afirma que esta pseudo crise financeira é fabricada.
E fabricada com um objectivo concreto.
Aqui está uma prova, à vista de todos aqueles que tenham capacidade para ver o que está perante os nossos olhos, e não só ...

À nossa frente está o esboço de uma nova ordem mundial, de G/governo único, moeda única, governantes falsamente eleitos - numa ilusão a democracia, e escravatura à escala mundial.
FILHOS DA PUTA.

Resultados eleitorais dos Açores

Interessante a comparação com as eleições anteriores!

Ao contrário do apregoado pela dupla Vitorino & Marcelo, este não foi um resultado monumental para o PS, nem tão pouco Pinto de Sousa tinha razão para ir dar o ar da sua graça em comunicação pelos resultados, segundo ele, estrondosos do PS Açores ...

Vá lá a ver:

- Aumentou o nº de eleitores;

- Aumentou a abstenção;

- Aumentaram os votos brancos (tendo em conta o nº de eleitores em 2004 e o nº actual, e ainda a abstenção de 2004 e a actual, os votos brancos terão quase triplicado - sim, nos resultados oficiais duplicaram, mas considerandos todos estes vectores, quase triplicaram!!!) e nulos;

- Diminuiu a votação no PS, teve menos votos dos que em 2004, acrescendo que o nº de eleitores também aumentou desde então ...;

- O PS teve menos mandatos;

- A coligação de 2004 entre o PSD e o CDS, obteve menor nº de mandatos do que os 2 partidos separados, moral ....;

A reter:

- tendo em conta a insularidade e especificidade açoreana, não será boa ideia extrapolar para uma análise nacional;

- no entanto, será bom de considerar que o PS vai levar umas valentes pancadas em 2009, ainda que as análises e sondagens compradas pelo secretaria-geral do PS digam de forma demagógica e propagandística que:

} o PS ganharia com maioria absoluta de fosse hoje ... que descaramento!!!

} que Pinto de Sousa goza de uma popularidade abdominal

Enfim, tudo palha para boi dormir.

Gastança duvidosa e compulsiva do erário público

Merece investigação por parte do Ministério Público.

Acer acusa Governo de desperdiçar 15 milhões de euros

Fabricante ameaça com acção judicial em Portugal e Bruxelas

A fabricante de computadores Acer pondera vir a interpor uma acção judicial contra o Governo português, na sequência da adjudicação, pelo Ministério da Educação, de um contrato de fornecimento de computadores e respectivos serviços à rival Hewlett Packard (HP).

“Para os requisitos técnicos exigidos, o Governo tinha opções significativamente menos caras, nomeadamente da Acer Computers, que apresentou uma oferta 15 milhões de euros mais baixa do que a HP”, explicou a Acer em comunicado enviado à imprensa.

No documento, a fabricante questiona até que ponto “é aceitável que, neste momento de crise, o Governo português esteja a gastar fundos públicos desnecessariamente, quando existe uma solução que satisfaz todos os requisitos técnicos e tem um custo significativamente menor”.

A Acer levanta ainda dúvidas sobre a metodologia de avaliação e transparência do processo e revela que está a considerar avançar com uma acção legal contra o Governo português, quer em Portugal quer em Bruxelas.
(via Carlos Nunes Lopes, 31 da Armada)

Carta de uma Mãe preocupada ao PM

(chegada por mail)
Sr. Engº José Sócrates,

Antes de mais, peço desculpa por não o tratar por Excelência nem por Primeiro-Ministro, mas, para ser franca, tenho muitas dúvidas quanto ao facto de o senhor ser excelente e, de resto, o cargo de primeiro-ministro parece-me, neste momento, muito pouco dignificado.

Também queria avisá-lo de antemão que esta carta vai ser longa, mas penso que não haverá problema para si, já que você é do tempo em que o ensino do Português exigia grandes e profundas leituras.

Ainda pensei em escrever tudo por tópicos e com abreviaturas, mas julgo que lhe faz bem recordar o prazer de ler um texto bem escrito, com princípio, meio e fim, e que, quiçá, o faça reflectir (passe a falta de modéstia).Gostaria de começar por lhe falar do 'Magalhães'.

Não sobre os erros ortográficos, porque a respeito disso já o seu assessor deve ter recebido um e-mail meu.
Queria falar-lhe da gratuitidade, da inconsequência, da precipitação e da leviandade com que o senhor engenheiro anunciou e pôs em prática o projecto a que chama de e-escolinha.O senhor fala em Plano Tecnológico e, de facto, eu tenho visto a tecnologia, mas ainda não vi plano nenhum.

Senão, vejamos a cronologia dos factos associados ao projecto 'Magalhães':
. No princípio do mês de Agosto, o senhor engenheiro apareceu na televisão a anunciar o projecto e-escolinhas e a sua ferramenta: o portátil Magalhães.
. No dia 18 de Setembro (quinta-feira) ao fim do dia, o meu filho traz na mochila um papel dirigido aos encarregados de educação, com apenas quatro linhas de texto informando que o 'Magalhães' é um projecto do Governo e que, dependendo do escalão de IRS, o seu custo pode variar entre os zero e os 50 euros. Mais nada! Seguia-se um formulário com espaço para dados como nome do aluno, nome do encarregado de educação, escola, concelho, etc. e, por fim, a oportunidade de assinalar, com uma cruzinha, se pretendemos ou não adquirir o 'Magalhães'.. No dia 22 de Setembro (segunda-feira), ao fim do dia, o meu filho traz um novo papel, desta vez uma extensa carta a anunciar a visita, no dia seguinte, do primeiro-ministro para entregar os primeiros 'Magalhães' na EB1 Padre Manuel de Castro. Novamente uma explicação respeitante aos escalões do IRS e ao custo dos portáteis.
. No dia 23 de Setembro (terça-feira), o meu filho não traz mais papéis, traz um 'Magalhães' debaixo do braço. Ora, como é fácil de ver, tudo aconteceu num espaço de três dias úteis em que as famílias não tiveram oportunidade de obter esclarecimentos sobre a futura utilização e utilidade do 'Magalhães'.
Às perguntas que colocámos à professora sobre o assunto, ela não soube responder. Reunião de esclarecimento, nunca houve nenhuma. Portanto, explique-me, senhor engenheiro:
o que é que o seu Governo pensou para o 'Magalhães'?
Que planos tem para o integrar nas aulas?
Como vai articular o seu uso com as matérias leccionadas?

Sabe, é que 50 euros talvez seja pouco para se gastar numa ferramenta de trabalho, mas, decididamente, e na minha opinião, é demasiado para se gastar num brinquedo. Por favor, senhor engenheiro, não me obrigue a concluir que acabei de pagar por uma inutilidade, um capricho seu, uma manobra de campanha eleitoral, um espectáculo de fogo de artifício do qual só sobra fumo e o fedor intoxicante da pólvora.

Seja honesto com os portugueses e admita que não tem plano nenhum.
Admita que fez tudo tão à pressa que nem teve tempo de esclarecer as escolas e os professores. E não venha agora dizer-me que cabe aos pais aproveitarem esta maravilhosa oportunidade que o Governo lhes deu e ensinarem os filhos a lidar com as novas tecnologias.
O seu projecto chama-se e-escolinha, não se chama e-familiazinha! Faça-lhe jus!Ponha a sua equipa a trabalhar, mexa-se, credibilize as suas iniciativas!
Uma coisa curiosa, senhor engenheiro, é que tudo parece conspirar a seu favor nesta sua lamentável obra de empobrecimento do ensino assente em medidas gratuitas.

Há dias arrisquei-me a ver um episódio completo da série Morangos com Açúcar.
Por coincidência, apanhei precisamente o primeiro episódio da nova série que significa, na ficção, o primeiro dia de aulas daquela miudagem.
Ora, nesse primeiro dia de aulas, os alunos conheceram a sua professora de matemática e o seu professor de português. As imagens sucediam-se alternando a aula de apresentação de matemática por contraposição à de português.
Enquanto a professora de matemática escrevia do quadro os pressupostos da sua metodologia - disciplina, rigor e trabalho - o professor de português escrevia no quadro os pressupostos da sua - emoção, entrega e trabalho.

Ora, o que me faz?espécie, senhor engenheiro, é que a personagem da professora de matemática é maldosa, agressiva e antiquada, enquanto que o professor de português é um tipo moderno e bué de fixe. Então, de acordo com os princípios do raciocínio lógico, se a professora de matemática é maldosa e agressiva e os seus pressupostos são disciplina e rigor, então a disciplina e o rigor são coisas negativas.
Por outro lado, se o professor de português é bué de fixe, então os pressupostos da emoção e da entrega são perfeitos. E de facto era o que se via. Enquanto que na aula de matemática os alunos bufavam, entediados, na aula de português sorriam, entusiasmados.

Disciplina e rigor aparecem, assim, como conceitos inconciliáveis com emoção e entrega, e isto é a maior barbaridade que eu já vi na minha vida. Digo-o eu, senhor engenheiro, que tenho uma profissão que vive das emoções, mas onde o rigor é 'obstinado', como dizem os poetas.

Eu já percebi que o ensino dos dias de hoje não sabe conciliar estes dois lados do trabalho. E, não o sabendo, optou por deixar de lado a disciplina e o rigor. Os professores são obrigados a acreditar que para se fazer um texto criativo não se pode estar preocupado com os erros ortográficos. E que para se saber fazer uma operação aritmética não se pode estar preocupado com a exactidão do seu resultado.

Era o que faltava, senhor engenheiro!
Agora é o momento em que o senhor engenheiro diz de si para si:
mas esta mulher é um Velho do Restelo, que não percebe que os tempos mudaram e que o ensino tem que se adaptar a essas mudanças?

Percebo, senhor engenheiro. Então não percebo?
Mas acontece que o que o senhor engenheiro está a fazer não é adaptar o ensino às mudanças, você está a esvaziá-lo de sentido e de propósitos. Adaptar o ensino seria afinar as metodologias por forma a torná-las mais cativantes aos olhos de uma geração inquieta e voltada para o imediato. Mas nunca diminuir, nunca desvalorizar, nunca reduzir ao básico, nunca baixar a bitola até ao nível da mediocridade.Mas, por falar em Velho do Restelo...... Li, há dias, numa entrevista com uma professora de Literatura Portuguesa, que o episódio do Velho do Restelo foi excluído do estudo d'Os Lusíadas.

Curioso, porque este era o episódio que punha tudo em causa, que questionava, que analisava por outra perspectiva, que é algo que as crianças e adolescentes de hoje em dia estão pouco habituados a fazer. Sabem contrariar, é certo, mas não sabem questionar. São coisas bem diferentes: contrariar tem o seu quê de gratuito; questionar tem tudo de filosófico. Para contrariar, basta bater o pé. Para questionar, é preciso pensar.

Tenho pena, porque no meu tempo (que não é um tempo assim tão distante), o episódio do Velho do Restelo, juntamente com os de Inês de Castro e da Ilha dos Amores, era o que mais apaixonava e empolgava a turma. Eram três episódios marcantes, que quebravam a monotonia do discurso de engrandecimento da nação e que, por isso, tinham o mérito de conseguir que os alunos tivessem curiosidade em descodificar as suas figuras de estilo e desbravar o hermetismo da linguagem.
Ainda hoje me lembro exactamente da aula em que começámos a ler o episódio de Inês de castro e lembro-me das palavras da professora Lídia, espicaçando-nos, estimulando-nos, obrigando-nos a pensar. E foi há 20 anos.

Bem sei que vivemos numa era em que a imagem se sobrepõe à palavra, mas veja só alguns versos do episódio de Inês de Castro, veja que perfeita e inequívoca imagem eles compõem:

'Estavas, linda Inês, posta em sossego,
De teus anos colhendo doce fruito,
Naquele engano d'alma ledo e cego,
Que a fortuna não deixa durar muito (...)'

Feche os olhos, senhor engenheiro, vá lá, feche os olhos.
Não consegue ver, perfeitamente desenhado e com uma nitidez absoluta, o rosto branco e delicado de Inês de Castro, os seus longos cabelos soltos pelas costas, o corpo adolescente, as mãos investidas num qualquer bordado, o pensamento distante, vagueando em delícias proibidas no leito do príncipe? Não vê os seus olhos que de vez em quando escapam às linhas do bordado e vão demorar-se na janela, inquietos de saudade, à espera de ver D. Pedro surgir a galope na linha do horizonte?
E agora, se se concentrar bem, não vê uma nuvem negra a pairar sobre ela, não vê o prenúncio do sangue a escorrer-lhe pelos fios de cabelo?Não consegue ver tudo isto apenas nestes quatro versos?
Pois eu acho estes quatro versos belíssimos, de uma simplicidade arrebatadora, de uma clareza inesperada.

É poesia, senhor engenheiro, é poesia! Da mais nobre, grandiosa e magnífica que temos na nossa História. Não ouse menosprezá-la. Não incite ninguém a desrespeitá-la.
Bem, admito que me perdi em divagações em torno da Inês de Castro.
O que eu queria mesmo era tentar perceber porque carga de água o Velho do Restelo desapareceu assim. Será precisamente por estimular a diferença de opiniões, por duvidar, por condenar?Sabe, não tarda muito, o episódio da Ilha dos Amores será também excluído dos conteúdos programáticos por 'alegado teor pornográfico' e o de Inês de Castro igualmente, por 'incitamento ao adultério e ao desrespeito pela autoridade'.

Como é, senhor engenheiro? Voltamos ao tempo do 'lápix' azul?
E já agora, voltando à questão do rigor e da disciplina, da entrega e da emoção: o senhor engenheiro tem ideia de quanta entrega e de quanta emoção Luís de Camões depôs
na sua obra?
E, por outro lado, o senhor engenheiro duvida da disciplina e do rigor necessários à sua concretização?
São centenas e centenas de páginas, em dezenas de capítulos e incontáveis estrofes com a mesma métrica, o mesmo tipo de rima, cada palavra escolhida a dedo... o que
implicou tudo isto senão uma carga infinita de disciplina e rigor?

Senhor engenheiro José Sócrates:
vejo que acabo de confiar o meu filho ao sistema de ensino onde o senhor montou a sua barraca de circo e não me apetece nada vê-lo transformar-se num palhaço.

Bem, também não quero ser injusta consigo.
A verdade é que as coisas já começaram a descarrilar há alguns anos, mas também é verdade que você está a sobrealimentar o crime, com um tirinho aqui, uma facadinha ali, uma desonestidade acolá. Lembro-me bem da época em que fiz a minha recruta como jornalista e das muitas vezes em que fui cobrir cerimónias e eventos em que você participava.
Na altura, o senhor engenheiro era Secretário de Estado do Ambiente e andava com a ministra Elisa Ferreira por esse Portugal fora, a inaugurar ETAR's e a selar aterros. Também o vi a plantar árvores, com as suas próprias mãos. E é por isso que me dói que agora, mais de dez anos depois, você esteja a dar cabo das nossas sementes e a tornar estéreis os solos que deveriam ser férteis.

Sabe, é que eu tenho grandes sonhos para o meu filho.
Não, não me refiro ao sonho de que ele seja doutor ou engenheiro.
Falo do sonho de que ele respeite as ciências, tenha apreço pelas artes, almeje a sabedoria e valorize o trabalho.
Porque é isso que eu espero da escola. O resto é comigo.
Acho graça agora a ouvir os professores dizerem sistematicamente aos pais que a família deve dar continuidade, em casa, ao trabalho que a escola faz com as crianças. Bem, se assim fosse eu teria que ensinar o meu filho a atirar com cadeiras à cabeça dos outros e a escrever as redacções em linguagem de sms.
Não.
Para mim, é o contrário: a escola é que deve dar continuidade ao trabalho que eu faço com o meu filho. Acho que se anda a sobrevalorizar o papel da escola.
No meu tempo, a escola tinha apenas a função de ensinar e fazia-o com competência e rigor. Mas nos dias que correm, em que os pais não têm tempo nem disposição para educar os filhos, exige-se à escola que forme o seu carácter e ocupe todo o seu tempo livre. Só que infelizmente ela tem cumprido muito mal esse papel.
A escola do meu tempo foi uma boa escola.
Hoje, toda a gente sabe que a minha geração é uma geração de empreendedores, de gente criativa e com capacidade iniciativa, que arrisca, que aposta, que ambiciona. E não é disso que o país precisa?
Bem sei que apanhámos os bons ventos da adesão à União Europeia e dos fundos e apoios que daí advieram, mas isso por si só não bastaria, não acha?
E é de facto curioso: tirando o Marco cigano, que abandonou a escola muito cedo, e a Fatinha que andava sempre com ranhoca no nariz e tinha que tomar conta de três irmãos mais novos, todos os meus colegas da primária fizeram alguma coisa pela vida. Até a Paulinha, que era filha da empregada (no meu tempo dizia-se empregada e não auxiliar de acção educativa, mas, curiosamente, o respeito por elas era maior), apesar de se ter ficado pelo 9º ano, não descansou enquanto não abriu o seu próprio Pão Quente e a ele se dedicou com afinco e empenho. E, no entanto, levámos reguadas por não sabermos de cor as principais culturas das ex-colónias e éramos sujeitos a humilhação pública por cada erro ortográfico.
Traumatizados? Huuummm... não me parece.
Na verdade, senhor engenheiro, tenho um respeito e uma paixão pela escola tais que, se tivesse tempo e dinheiro, passaria o resto da minha vida a estudar. Às vezes dá-me para imaginar as suas conversas com os seus filhos (nem sei bem se tem um ou dois filhos...) e pergunto-me se também é válido para eles o caos que o senhor engenheiro anda a instalar por aí.
Parece que estou a ver o seu filho a dizer-lhe: ó pai, estou com dificuldade em resolver este sistema de três equações a três incógnitas... dás-me uma ajuda?
E depois, vejo-o a si a responder com a sua voz de homilia de domingo: não faz mal, filho... sabes escrevero teu nome completo, não sabes? Então não te preocupes, é
perfeitamente suficiente...

Vendo as coisas assim, não lhe parece criminoso o que você anda a fazer?E depois, custa-me que você apareça em praça pública acompanhado da sua Ministra da Educação, que anda sempre com aquele ar de infeliz, de quem comeu e não gostou, ambos com o discurso hipócrita do mérito dos professores e do sucesso dos alunos, apoiados em estatísticas cuja real interpretação, à luz das mudanças que você operou, nos apresenta uma monstruosa obscenidade.

Ofende-me, sabe? Ofende-me por me tomar por estúpida.
Aliás, a sua Ministra da Educação é uma das figuras mais desconcertantes que eu já vi na minha vida. De cada vez que ela fala, tenho a sensação que está a orar na missa de sétimo dia do sistema de ensino e que o que os seus olhos verdadeiramente dizem aos pais deste Portugal é apenas 'os meus sentidos pêsames'.

Não me pesa a consciência por estar a escrever-lhe esta carta.
Sabe, é que eu não votei em si para primeiro-ministro, portanto estou à vontade. Eu votei em branco. Mas, alto lá!
Antes que você peça ao seu assessor para lhe fazer um discurso sobre o afastamento dos jovens da política, lembre-se, senhor engenheiro: o voto em branco não é o voto da indiferença, é o voto da insatisfação! Mas, porque vos é conveniente, o voto em branco é contabilizado, indiscriminadamente, com o voto nulo, que é aquele em que
os alienados desenham macaquinhos e escrevem obscenidades.

Você, senhor engenheiro, está a arriscar-se demasiado.
Portugal está prestes a marcar-lhe uma falta a vermelho no livro de ponto.
Ah...espere lá... as faltas a vermelho acabaram... agora já não há castigos...
Bem, não me vou estender mais, até porque já estou cansada de repetir 'senhor engenheiro para cá', 'senhor engenheiro para lá'. É que o meu marido também é engenheiro e tenho receio de lhe ganhar cisma.

Esta carta não chegará até si.
Vou partilhá-la apenas e só com os meus E-leitores (sim, sim, eu também tenho os meus eleitores) e talvez só por causa disso eu já consiga hoje dormir melhor. Quanto a si, tenho dúvidas.

Para terminar, tenho um enorme prazer em dedicar-lhe, aqui, uma estrofe do episódio do Velho do Restelo. Para que não caia no esquecimento. Nem no seu, nem no nosso.

'A que novos desastres determinas
De levar estes Reinos e esta gente?
Que perigos, que mortes lhe destinas,
Debaixo dalgum nome preminente?

Que promessas de reinos e de minas
De ouro, que lhe farás tão facilmente?
Que famas lhe prometerás? Que histórias?
Que triunfos? Que palmas? Que vitórias?'


Atenciosamente e ao abrigo do artigo nº 37 da Constituição da República Portuguesa,

Uma mãe preocupada

sábado, outubro 18, 2008

Filha da putice

Governo reduz pensões de antigos combatentes

Ministro diz que fundo para pagar pensões está "sem um cêntimo"

Um documento oficial do Governo, ontem omitido pelo Executivo num debate parlamentar, afirma que 256 mil antigos combatentes da Guerra Colonial irão ver os seus complementos de pensão reduzidos.

O documento é a "nota justificativa" da proposta de lei com a nova regulamentação da chamada Lei dos Antigos Combatentes, ontem discutida no Parlamento - e aprovada com os votos do PS e contra de toda a oposição.

Segundo o documento, a que o DN teve acesso, do total dos 293 mil beneficiários do Complemento Especial de Pensão (que passará a chamar-se Suplemento Especial de Pensão), 256 513 (87,4%) "passarão a auferir benefícios monetários inferiores aos actuais", implicando isto uma poupança de 10,9 milhões de euros. A "nota justificativa" acrescenta que 36 858 antigos combatentes "passarão a auferir benefícios superiores aos actuais", custando isso quase 800 mil euros.

"Os ganhavam menos vão passar a ganhar mais. Os que ganhavam mais vão passar a ganhar menos", disse o ministro da Defesa. Nuno Severiano Teixeira apresentou a nova regulamentação como sendo "equilibrada, justa e financeiramente justificada". Os suplementos passarão a ser pagos directamente do Orçamento do Estado em vez de continuarem a ser por um fundo que "não tinha um cêntimo".

A oposição criticou duramente a proposta . "Uma vergonha", disse o deputado Henrique Freitas (PSD). "Há ironias. Ontem discutimos 20 mil milhões para salvar os bancos. Hoje estamos a discutir três milhões de euros poupados à custa de antigos combatentes."

Pelo CDS - o partido que originalmente propôs a criação deste complemento de reforma para os antigos combatentes, criado em lei em 2002 - falou João Rebelo. O deputado salientou que a regulamentação governamental irá "penalizar os militares que mais tempo estiveram no Ultramar". O PCP e o Bloco também contestaram a lei, tendo o PCP sublinhado que continua por resolver o problema dos ex-combatentes emigrados no estrangeiro.

Ainda Lisboa e a água

Túneis do Campo Grande, João XXI e EUA inundaram

Inundações nos túneis do Campo Grande e das Avenidas João XXI e dos Estados Unidos da América foram algumas das consequências das chuvas registadas esta tarde, em Lisboa, disse fonte da Brigada de Trânsito da PSP.

«Dos túneis existentes em Lisboa apenas não tivemos indicações de qualquer problema no do Marquês de Pombal», referiu.

Segundo a fonte da BT da PSP de Lisboa, na Avenida Egas Moniz, frente ao Hospital de Santa Maria, o alcatrão das duas faixas centrais levantou, pelo que a circulação rodoviária está a processar-se apenas em duas faixas. A BT solicitou o apoio da Protecção Civil para o local por receio que a estrada cedesse onde o alcatrão levantou, referiu a mesma fonte.

A fonte da BT acrescentou que Sete Rios é outro dos locais em que o trânsito está a ser «bastante» afectado pelas fortes chuvas, havendo ainda registo de alguns cafés com danos materiais naquele local.

Táxistas na praça de táxis do Saldanha disseram ainda que choveram «pedras bastante grandes de granizo», cerca das 15:00 horas naquele local.

- Diário Digital / Lusa

É o costume.

Quando chove um pouco mais, a cidade inunda!!

Porquê?

Para começar porque as sarjetas não são limpas.
Aliás, as sarjetas, são para "os almeidas", o mesmo que os tapetes são para as limpezas caseiras ...!!

Que rica CML que nós temos. Para cobrar IMI estão sempre prontos, para cobrar todo o tipo de receitas camarárias idem, para receber dinheiro do estado central, idem, idem, mas para fazer aquilo que lhes compete, nicles.
Não estão para aí virados.

Há falta dinheiro?
Não.
Há é falta de vergonha.

(publicado também n' O Carmo e a Trindade)

Como é que é?!!!!!!!!

Paulo da Cunha Porto deixou o Corta-fitas, mas não deixou o Corta-fitas de ânimo leve, foi encostado à parede!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

ESTOU ...ABSOLUTAMENTE....ESTUPEFACTA

Recebi uma embaixada composta por Dois dos redactores deste blogue, que me anunciaram ser entendimento de outros estar a minha presença a desviá-lo do mainstream e pedindo-me moderação.

(...)

Pessoa que se preza, que esteja inteira na vida, não permite este tipo de ultimatum.

Mais vale só, do que mal acompanhado.

Nunca imaginei que pudesse suceder uma situação destas num blog que se afirma plural.
Deixaram de contar com a minha consideração.

sexta-feira, outubro 17, 2008

O Huguinho e o Zézinho

MAIS VALE CAIR EM GRAÇA DO QUE SER ENGRAÇADO
Em Portugal temos uma versão interna do Magalhães e temos também uma versão europeia de Hugo Chavez. Explico-me.

José Sócrates já conseguiu embrulhar-se numa equívoca licenciatura, descobrir-se projectista misterioso de casas pimba, ter ministros em fuga do seu Governo, e, agora, qual cereja em cima do bolo, entregar uma pen no Parlamento sem o Orçamento lá dentro. Isto em pleno Governo-chip, MIT, Plano Tecnológico, SIMPLEX’s, PRACES, MODERNEX’s, muita I&D, power points e cigarros a bordo quanto baste.

Artista português com certeza, Sócrates logrou inclusivamente e sem queimar nenhum ministro com declarações ingénuas, perante umas meras notícias meio envergonhadas na comunicação social e uma estranha apatia do próprio, reduzir o tempo de duração da palestra dominical do inconveniente Marcelo rebelo de Sousa.

A coordenação das polícias todas já mora na residência oficial do Primeiro-Ministro e Hugo José faz comícios contra os capitalistas e as bolsas, para animar plateias partidárias, antes de pôr a gravata para mais uma reunião em Bruxelas com Barroso e Sarkozy.

Evidentemente que os manuais classificam este tipo de político como o político credível. Os jornais, com mais ou menos ranger de dentes, aturam o estilo.

Agora, imaginem que onde escrevi José Sócrates escrevia Pedro Santana Lopes. O artigo mudaria exactamente neste ponto e passaria a ser assim: o que espera o Presidente para correr com ele? O país não aguenta tanta trapalhada. Não somos nada por aí além, mas merecemos um bocadinho melhor e por aí fora. Sinceramente, levar uma pen vazia ao Parlamento e deixar os mapas em casa? E não acontece nada? Já chega, estamos fartos, não aguentamos mais. Pedir desculpa? Pedir desculpa não chega. É preciso evitar as desculpas, não pedi-las. Precisamos de descanso. Vamos manifestar-nos, pedir, requerer, implorar pela demissão do Governo e novas eleições.
Não chega. Não estamos fartos. E, claro, aguentamos tudo. Aguentámos os espanhóis durante sessenta anos. Aguentamos o Carlos Queiroz na selecção. Aguentamos Gilberto Madail na Federação. Aguentamos tudo. Por que não haveríamos de aguentar Hugo José?

Preparem-se. Vem aí mais, tudo indica. E, agora sim, habituem-se. É que mais vale cair em graça do que ser engraçado.
- Jorge Ferreira, Tomar Partido

A propaganda (des)governamental desmontada

Gabriel Silva desmonta a propaganda (des)governamental no tocante ao controle da despesa pública.

O (des)Governo, ao invés de cortar na despesa, pelo contrário, foi a sangria desatada! E mais grave se apresenta, tendo em conta que a receita de impostos, entre o aumento de vários impostos e a arrecadação real assistiu-se a um acréscimo muito grande.

Tal implica que, entre a despesa pública directa e indirecta, foi fartar vilanagem.

Aqui ficam as considerações de Gabriel Silva -

Não desceu, aumentou.
Política de contenção? Não existiu, gastou-se cada ano mais.
Redução de despesa pública? Uma mentira.
A diminuição do déficite público face ao pib (que não depende do governo), apenas se alcançou com aumento significativo da receita arrecadada.
O Estado gasta cada vez mais. E paga-se ainda mais.

(clique na imagem para aumentar)

Despesa Pública em milhões de euros.
Dados do Ministérios das Finanças e INE.
Os valores para 2008 e 2009 são os que constam dos respectivos OE.

Esta é de cabo e esquadra!!!

O Ilustre Dragão notifica de um absoluto e irremediavelmente tresloucado Senador amaricano que, deve ter os fusíveis derretidos :))), intrepôs uma providência cautelar contra Deus ... AHAHAH

Sim leram bem, contra DEUS

AHAHAH

Haia com Deus!...

Um senador americano, do estado do Nebraska, apresentou queixa em tribunal contra Deus. Não é brincadeira. Aconteceu mesmo. O Todo Poderoso foi destemidamente processado por terrorismo contra os habitantes de Nebraska e os indígenas do planeta Terra em geral. De caminho, Ernie Chambers, o queixoso, requereu uma providência cautelar contra O Lá-de-Cima, de modo a impedi-lo de prosseguir com as seus reiterados abusos, ilegalidades e perfídias antropofóbicas. O Juiz federal a quem, em primeira instância, coube avaliar o caso, lamentavelmente, não foi lá muito sensível às razões do demandante: mandou arquivar o processo por desconhecimento absoluto do paradeiro domiciliar do arguido, acrescido da impossibilidade concomitante de lhe fazer chegar, em tempo útil, a notificação legal.
Entretanto, irredutível, o queixoso ameaça apelar. Argumentando, não sem alguma lógica, omnisciência reconhecida da parte do criminoso. Não vou discutir aqui a pertinência da demanda. Direi apenas que o foro me parece, de todo, desadequado. Para os alegados crimes em questão, o queixinhas deverá dirigir-se a Haia.

PS: Em todo o caso, sempre parece menos estúpido proceder-se contra alguém que não sabemos onde mora do que contra alguém que garantimos, a pés juntos, nem sequer existir.

A implosão da especulação dos mercados financeiros ...

... ou, também conhecida por, crise financeira mundial explicada
d e v a g a r i n h o :))

(com legendas em espanhol)

Localizado via Nuno Castelo-Branco, Estado Sentido

quinta-feira, outubro 16, 2008

Monstros

Não aos cheques em branco

Governo quer carta-branca do Parlamento para apoiar os bancos

Banco de Portugal apoia montagem do plano Teixeira dos Santos

Pudera, quem é que o sustenta?!!
A Voz do Dono

A noite parece que anda à volta dos Fidos e dos Bidus ...

Talk about useless

Fortified water for dogs!! (Água enriquecida para cães!!)

Ai Ambrósio ...

Deêm-lhes uma lupa

Esta cambada anda há procura de soluções ...

Raposa sabida!

McCain venceu o duelo, perdão, o debate!!

Foi conciso e directo nas respostas, e expressou sentimentos como nunca antes.

As questões versaram sobre as matérias internas, como não podia deixar de ser, e são essas as que realmente interessam aos americanos.

McCain optou por permitir a livre escolha dos americanos: saúde, educação (os voucheurs, awesome!), cortes nas despesas com organismos públicos - referindo que carecem de fiscalização para apurar se são de facto necessários, úteis e relevantes, não o sendo, serão encerrados -, impedir a sangria desatada de Washington D.C. e das mordomias sumptuárias a que estão mal habituados.

McCain encarrou de frente, e suplantou o seu adversário.

Apareceu um Obama apagado, demagógico e paternalista!! (Coisa que os Dems. invocavam de McCain e que, depois de ontem, terão de calar.)

It was a nockout! Raposa sabida, deixou o outro subir para, no momento decisivo, agarrá-lo ... pelas barbatanas!!

And the winner is:

Eu não sou o presidente G. W. Bush.
Se o sr. queria concorrer contra ele, devia ter-se candidatado há 4 anos atrás.

Corrupção e os Portugueses

Atitudes, Práticas e Valores

Luís de Sousa
João Triães

Prefácio
Maria José Morgado

Está a iniciar-se o lançamento do livro publicado pela RCP Edições, no Auditório Afonso de Barros - Ala Autónoma do ISCTE (Av. das Forças Armadas, Lisboa).

Muitos parabéns a Rui Costa Pinto pela edição da Obra, e votos de que, no momento em que se discute a nova entidade de combate à corrupção, possa ser um descodificador do muito que vai ocorrendo em Portugal.

Addenda - uma pequena passagem do excerto (completo) que poderá consultar aqui:

As Democracias têm vivido transformações importantes no que respeita aos princípios de ética sob os quais assentam as suas próprias instituições e o seu desempenho.

A corrupção exposta durante as últimas duas décadas tem afectado, directa ou indirectamente, a percepção dos cidadãos face ao desempenho da Democracia e constitui um factor explicativo do actual declínio dos níveis de confiança institucional (Johnston 1991b; Mény 1996a; Pharr e Putnam 2000).

Isto poderá ser entendido como um sintoma, e não como a causa, de um mal-estar mais profundo das Democracias de matriz ocidental, nas quais se inscreve a Democracia portuguesa. Algumas transformações nos processos de decisão têm posto em risco a aplicabilidade dos princípios de ética que governam (ou deveriam governar) a res publica.

O distanciamento e a falta de renovação dos partidos, o autismo dos governantes face aos problemas dos cidadãos, o esvaziamento do Parlamento e a sua resignação a uma função submissa face aos Governos, o redimensionamento da Administração pública por lógicas economicistas, a proliferação de novos híbridos administrativos sem que sejam clarificadas as fronteiras de interacção público/privado e salvaguardado o interesse público, a insuficiência do Estado face aos desafios da economia global.

No meio desta evolução, os medos e frustrações dos cidadãos fazem-se sentir de forma mais intensa do que as suas esperanças e optimismo.

É, por isso, legítimo ponderar se a actual intensidade com que o fenómeno é discutido na arena pública resulta de uma cidadania mais exigente em relação ao exercício de funções públicas/eleitas ou se, pelo contrário, se trata apenas de uma reacção pontual, gerada pela hipersensibilidade a um determinado tipo de ocorrências e alimentada por uma comunicação social sensacionalista.

quarta-feira, outubro 15, 2008

I'll ketchup with you later!

Rufem tambores, é esta madrugada o combate, perdão, o debate, definitivo entre McCain e Obama.

Pelas 02:00 de Lisboa, avançam para o ringue, perdão, para a arena (ainda não foi desta!), para o palco os dois gladiadores (não também não é isto ...), os dois opositores às eleições presidenciais americanas!

Obrigada à SIC Online!

Mandei um mail à SIC Online para tentar que disponibilizassem o vídeo da entrevista a Medina Carreira, de ontem no Jornal das 9 - de Mário Crespo (SIC-N)

Aqui está ele

E a Irlanda?!

Ia-me esquecendo da questão irlandesa!!

Então não é que o (des) Governo irlandês prepara-se - deve ser resultado do: agora resolvam o problema, por parte de todas as couves burocráticas bruxelenses - para re-referendar o tratado de Lisboa, só que agora vão ainda mais longe no voo, i.e., é ainda mais rasteirinho o voo irlandês!!

Reduziram o cozido a um mero chouriço!!

Couves de Bruxelas ao ataque: Dançamos?
Primeiro-minsitro checo Mirek Topolanek e o presidente da Comissão Europeia Josá Manuel Durão Barroso na chegada ao Conselho Europeu, em Bruxelas
(No Portugal Diário)

Os bichos papões

A propaganda não acaba ...

Para além da crise financeira mundial, agora inventaram a crise alimentar mundial ... que falta de vergonha a destes tipos.

Os meios de comunicação social são o veículo de propaganda mais apetecido e utilizado. Onde será que esta rapaziada deixou os miolos? Devem tê-los vendido pelo melhor preço ...

Crise financeira pode gerar nova crise alimentar

E vergonha na cara, não?
Essa também já deve ter sido vendida pelo melhor preço.

Olh'ó gato II !!

Bens alimentares sobem acima da taxa de inflação
Custos com casa, água, electricidade e gás aumentam 3,7%

Preços da alimentação subiram 4,8% desde Setembro do ano passado

A alimentação dos portugueses aumentou 4,8% em Setembro face ao ano passado, enquanto as despesas com a casa, em água, electricidade e gás, ficaram 3,7% mais caras, um valor bem acima do referencial para a subida dos preços médios (2,5%) usado pelo Executivo para as actualizações salariais.

(...)

Olh'ó gato!!

IRS aumenta para milhares de contribuintes

Aumentos salariais acima da inflação e manutenção de deduções agrava imposto

Aumentos salariais acima dos 2,5% vai resultar em mais imposto a pagar por muitos contribuintes, em sede de IRS. As razões são duas. A primeira é que o Governo sinalizou aumentos salariais acima da actualização dos escalões de imposto; a segunda razão relaciona-se com as deduções à colecta do imposto, no actual figurino do IRS, sem as chamadas "medidas anticíclicas".

(...)

Por resolver, está o Pagamento Especial por Conta (PEC), o que deverá ser efectuado sob proposta parlamentar. É que a manutenção dos dois escalões de IRC não "casa" com a taxa de 12,5%.

A acompanhar II

O homem sabe do que fala!

Teixeira dos Santos fez o comentário mais apropriado e mordaz ao computadorzito Magalhães:

Este OE, afirmou, «até o Magalhães o abria»

Tal é a bodega de material ...!
Ministro sabe ...

terça-feira, outubro 14, 2008

Tête-à-tête ...

A crise financeira não desapareceu, mas na Casa Branca o ambiente parece leve como numa festa de adolescentes. Bush recebe o primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi...

- Público

Vej’eu as gentes andar revolvendo
e mudando aginha os corações
do que põen antre si as nações;
e já m’eu aquesto vou aprendendo
e ora cedo mais aprenderei:
a quen poser preito, mentir-lho-ei,
e assi irei melhor guarecendo.

Ca vej’eu ir melhor ao mentireiro
c’ao que diz verdade ao seu amigo;
e por aquesto o jur’ e o digo
que já mais nunca seja verdadeiro;
mais mentirei e firmarei log’al:
a quen quer’oje ben, querrei-lhe mal,
e assi guarrei como cavaleiro.

Pois que meu prez nem mia onra non crece,
por que me quígi teer à verdade,
vede’lo que farei, par cardade,
pois que vej’ o que m’assi acaece:
mentirei ao amigo e ao senhor,
e poiará meu prez e meu valor
com mentira, pois com verdade dece.


- Pêro Mafaldo, Sirventês

A acompanhar

O OGE 2009

Antes do mais, um palavra de apreço a Teixeira dos Santos, à pessoa; um homem trabalhador, a desempenhar uma função à qual, eu, fugiria a sete pés.

Dito isto, vamos ao que interessa!

O Orçamento Geral do Estado para 2009 - OGE 2009, e daquilo que vai sendo conhecido, é uma fantochada e xaropada do pior.

Pura propaganda eleitoralista, com uma mistura de megalomania obreira - as megalómanas obras públicas de Lino & Cª (uma Cª exigente e carente da renda estatal ... que não perdoa a falta de contribuição ...) -, mais uma medida patética para apanhar os votos da função pública (pseudamente aumentando os ordenados acima da inflação ... será que a função pública vai engolir o vergonhoso isco?), o bodo aos bancos - criando uma almofada, premiando assim a incapacidade e a falta de vergonha dos altos quadros financeiros, mais a cambada dos inúmeros, inúteis e absolutamente desnecessários empresas públicas, institutos e afins!!
Como se já não bastasse a parafrenália inútil existente, o (des)Governo vem ainda criar um novo instituto (mais um para dar emprego à boiada dos costume - querem lá ver que a promessa dos 150.000 empregos ainda se concretiza com mais esta deixa?!!)

Diz o ministro das Finanças que vai haver diminuição de impostos.
Desculpe, mas isso não é verdade; é apenas uma cortina de fumo para entusiasmar o pagode, e obter o votito nas legislativas.

Um país que está na situação difícil em que Portugal se encontra, vai para anos, não se pode dar ao luxo de ter um (des)Governo que em ano eleitoral, e tão só e apenas em ano eleitoral, abrir os cordões à bolsa em obras públicas megalómanas!!
Seremos nós, todos os contribuintes, a termos de pagar a conta.

Quem não tem dinheiro , não tem vícios.

MIGALHÃES

(por mail)

Lá vem pelo avelar
O filho do Zé João
Vem do centro escolar
Cansado de palmilhar
A caminho da povoação

Não há médico na aldeia
E a antiga escola fechou
Não tem carne para a ceia
Nem petróleo para a candeia
Porque o dinheiro acabou

O seu pai foi para França
Trabalhar na construção
E a mãe desta criança
Trabalha na vizinhança
Lavando pratos e chão

Mas o puto vem contente
Com o Migalhães na mão
E passa por toda a gente
Em alegria aparente
De quem já sabe a lição

Um senhor muito invulgar
Que chegou com mais senhores
Veio para visitar
O novo centro escolar
E dar os computadores

E lá vem o Joãozinho
No seu contínuo vaivém
Calcorreando o caminho
Desesperando sozinho
À espera da sua mãe

Neste país de papões
A troco de dois vinténs
Agravam-se as disfunções
O rico ganha milhões
E o pobre, Migalhães!

Esta semana no Pingo Doce

(chegado por mail :))

Num hotel caro em Lisboa, uma velhota com os seus 80 anos vai a descer no elevador e no 7º andar entra uma rapariga dos seus 23/24 anos de idade que cheirava a um perfume especial e caro, volta-se para a velhota, abana a blusa e diz, petulante:

- Giorgio, dez contos por grama...

Quando o elevador pára no 5º andar, entra outra rapariga com cerca de 25 anos de idade, também a cheirar a perfume raro e caro, vira-se para a velhota e diz:

- Safari, 21 contos a grama...

O elevador pára no 2º andar, a velhota prepara-se para sair do elevador, dá um valente peido, sacode a saia para arejar, volta-se para as petizes e diz:

- Feijão encarnado de conserva 'COMPAL', 1 euro a lata... Esta semana, no Pingo Doce...

HIHIHI

segunda-feira, outubro 13, 2008

Ainda há coisas boas

Nuvem 33

Aquele sr que vive na nuvem 33, vem agora bafejar-nos com a sua sapiente sapiência ... ai maria elvira, tem Pai que é cego... Não sei como o homem se dispõe a partilhar tanto ...

O incrível é como lhe dão tanto tempo de antena ...

António Borges: "O sistema financeiro caiu como um castelo de cartas"

António Borges vive na nuvem 33, onde tudo é perfeito e teórico.

Estava dentro dos meandros do monstro.
Partilhou da engenharia maluca, virtual e esclavagista ao papalvo, bem como ao arrecadanço por parte dos do costume.

Onde os carneiros respondem afirmativa e favoravelmente ao estímulos do dono do rebanho ...

Veio a Portugal falar em diversas conferências e eventos onde se fartou de debitar as delícias daquilo que agora invoca como um castelo de cartas ...

Já não há pachorra para tanta prima-dona.

domingo, outubro 12, 2008

Crise financeira mundial DELES

Ou: a crise financeira mundial explicada às criancinhas.



(picado daqui)

Vilanagem

Reunião de emergência (a uma Domingo ... ena, ena ...)

Eurogrupo permite (!!! ...) a Estados darem garantia provisória
O Eurogrupo permite aos Estados-membros darem garantia de financiamento provisório à banca, até 31 de Dezembro de 2009. É a decisão a que chegaram os 15 líderes da Zona Euro reunidos, hoje, de emergência em Paris.

Conselho de Ministros extraordinário a um Domingo...!!

O tema:

Garantir os empréstimos entre Bancos com o aval de todos nós!
Ou seja,
São os contribuintes portugueses a garantirem os empréstimos que os Bancos fazem junto de outros Bancos ... e eu é que sou a burra?!!
Hummm ... tem português ceguinho!

Estado vai dar garantias a empréstimos interbancários

20 mil milhões euros(!! Poçaaa ... davam-me cá um jeitão!!)
No final do Conselho de Ministros extraordinário, hoje, em Lisboa, o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, anunciou que o Estado vai dar garantias aos empréstimos interbancários, como forma de reintroduzir um espírito de confiança no sistema. Teixeira dos Santos disse, ainda, que Portugal participa totalmente da estratégia europeia coordenada para fazer face à crise financeira.

We the People